Disciplina
Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Geografia
 
Disciplina: FLG0263 - Geografia Economica II

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 0
Tipo: Semestral

Objetivos
Compreender a razão irracional capitalista, de modo a analisar as determinações espaciais da forma-valor. Neste sentido, observar elementos que contribuam à compreensão de que o próprio espaço, como elemento necessariamente constituinte de uma realidade econômica moderna,
onde a riqueza em sua forma abstrata e tautológica, isto é, com um fim em si mesmo, é elo lógico de uma possibilidade social na medida em que se efetiva como ilusão de sucessão a tornar possível, através do fetiche, o seu oposto, isto é, as determinações espaciais (contraditórias) para esta formação econômico social. Aprecia-se, no entanto, a importância da efetivação de uma realidade a partir de suas determinações abstratas, do que se deriva para uma necessária análise da condição abstrata do espaço na Modernização. Isto tudo em contraposição com o que forma o argumento científico de Geografia a partir de uma defesa materialista do espaço, isto é, que se apropria, na justificativa de sua disciplinaridade, da materialidade do espaço como principal argumento
 
Programa Resumido
Estudam-se as relações categoriais do capital em abstrato, determinando formas sociais que efetivam uma relação entre ao simultâneo (espaço) e sucessivo (tempo).
 
Programa
1. Aspectos de uma Geografia Econômica Francesa e sua influência na Geografia Brasileira, através de um pensamento desenvolvimentista, de modo a confrontá-lo com uma perspectiva donde as contradições da forma-valor e dos processos de acumulação de capital passam a ser objeto da análise geográfico-econômica.
2. Valor e forma-valor. O fetiche da mercadoria e do capital como explanação da relação entre simultaneidade e sucessão.
3. Distinção entre F.E.S pré-capitalistas e F.E.S capitalista de modo a considerar o problema relativo à simultaneidade e à linearidade temporais como referências explicativas às determinações espaciais do mundo moderno. Trata-se, assim, de observar as relações entre acumulação de capital e determinações espaciais.
4. Observações a respeito da divisão social do trabalho como elemento constituinte e necessário da modernização.
5. Reprodução e reprodução crítica do capital em seus aspectos espaciais, o problema da “compressão temporal”.
6. Uma análise da grande indústria sob a perspectiva de uma distinta forma de realização têmporoespacial do capital e de seu processo de acumulação. Imperialismo e a queda tendencial da taxa de lucro.
7. O Espaço como teoria e como método.
8. Observações relativas à reprodução capitalista na periferia do sistema. A noção de periferia, alguns aspectos.
9. A distinção entre periferia e países subdesenvolvidos
 
Avaliação
 
      Método
      Leituras programadas e participação nos debates e seminários.
 
      Critério
      Seminário, provas e trabalhos finais.
 
      Norma de Recuperação
      1) Provas; 2) Trabalhos Individuais e/ou em grupos; 3) Participação nas atividades.
 
Bibliografia
FURTADO, Celso, O Brasil Pós -“Milagre”: Rio de Janeiro, Paz e terra, 1983.
GEORGE, Pierre, Geografia Econômica, São Paulo, Rio de Janeiro: Difel, 1983.
GEORGE, Pierre, Geografia do Consumo, São Paulo, Rio de Janeiro: Difel, 1971.
GIANNOTTI, José Arthur, Notas sobre a categoria de “modo de produção” para uso e abuso dos sociólogos, In: Filosofia miúda e demais aventuras. São Paulo: Brasiliense, 1985, (pp. 46-53)
HARVEY, David, A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2000
HARVEY, David, Los limites del capitalismo y la teoría marxista: México, Fondo de Cultura Económica, 1982.
KURZ, Robert, O Colapso da Modernização. Da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1993.
LACOSTE, Yves. Geografia do Subdesenvolvimento: São Paulo, Difel, 1985.
LEFEBVRE, Henri. A Vida Cotidiana no Mundo Moderno. São Paulo: Ática, 1991.
LEFEBVRE, Henri. La production de l’Espace. Paris: Anthropos, 2.000
LEFEBVRE, Henri. Espacio y politica, Barcelona, Península, 1976 .
LENIN, Vladimir Ilich. Imperialismo Fase Superior do Capitalismo (Ensaio Popular). In: Obras Escolhidas, São Paulo: Alfa Ômega, vol. 1, 1986.
MARX, Karl. O Capital. Crítica da Economia Política. O Processo de Produção do Capital. Volume I, Livro I, Tomo I. São Paulo: Nova Cultural, 1988.
MARX, Karl. Formações econômicas pré-capitalistas. Introdução de Erick Hobsbawn: Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1975.
MARX, Karl, A assim chamada acumulação primitiva, In: O Capital. O Processo de Produção do Capital. Vol. II, Livro Primeiro, Tomo I, capítulo XXIV, São Paulo: Nova Cultural, (pp.251-284).
MARX, Karl. Capítulo VI Inédito de O capital. Resultados do processo de produção imediata. São Paulo: Editora Moraes, s/d.
MARX, Karl. Elementos Fundamentales para la Critica de la Economia Politica (Grundrisse) 1857~1858, Vol. II. México: Siglo XXI, 1977.
SEABRA, Manoel Fernando Gonçalves. “Crise Econômico-Social no Brasil e o Limite do Espaço”. In: SANTOS, Milton (org.). Novos Rumos da Geografia Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1982, (166-180).
SOJA, Edward, Geografias Pós-Modernas. A reafirmação do Espaço na Teoria Social Crítica, São Paulo, Zahar, 1993, Capítulo 3, a Dialética Sócio Espacial, pp. 97-111.
V. Bibliografia complementar
FAUSTO, Ruy, Dialética Marxista, Dialética Hegeliana. A Produção Capitalista como Circulação Simples: São Paulo, Brasiliense, Paz e Terra, 1997.
GIANNOTTI, José Arthur, Certa Herança Marxista, São Paulo, Companhia das Letras, 1999.
GORZ, André. Metamorfoses do Trabalho. Crítica da Razão Econômica. Trad. Ana Montoia. São Paulo: Annablume, 2007
GORZ, André. O Imaterial. Conhecimento, Valor e Capital. Trad. Celso Azzan Jr. São Paulo: Annablume, 2005.

 
Requisitos
Disciplina Requisito
FLG0162 Geografia Econômica I

Clique para consultar o oferecimento para FLG0263.

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP