Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Educação
 
Metodologia do Ensino e Ed Comparada
 
Disciplina: EDM0402 - Didática
Didatics

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h ( Estágio: 30 h , Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2016 Desativação:

Objetivos
A disciplina Didática pretende contribuir para a formação do professor, como agente de ensino na educação institucional, mediante:
1. Análise das teorizações sobre o ensino e sua relação com a prática pedagógica;
2. Estudo de diferentes perspectivas de análise dos processos de ensino e aprendizagem e das relações professor-aluno;
3. Discussão de questões contemporâneas da prática pedagógica no cotidiano escolar.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
167942 - Adriana Bauer
46273 - Belmira Amelia de Barros Oliveira Bueno
577971 - Cecilia Hanna Mate
7067602 - Claudia Valentina Assumpção Galian
863900 - Jaime Francisco Parreira Cordeiro
7723980 - Karina Soledad Maldonado Molina
3140642 - Katiene Nogueira da Silva
87202 - Manoel Oriosvaldo de Moura
1354702 - Maria Isabel de Almeida
1246802 - Monica Appezzato Pinazza
1645036 - Paula Perin Vicentini
1987070 - Rita de Cassia Gallego
1889824 - Vivian Batista da Silva
 
Programa Resumido
O Curso de Didática pretende contribuir para a formação do professor mediante o exame das especificidades do trabalho docente na instituição escolar. Para tanto, propõe o estudo de teorizações sobre o ensino, de práticas da sala de aula e de possibilidades de desenvolvimento do trabalho pedagógico frente às conjunturas sociais. Trata-se, portanto, de analisar as situações de sala de aula, buscando compreender a relação professor-aluno-conhecimento, de maneira a propiciar ao futuro professor condições para criar alternativas de atuação. Os estágios poderão focalizar diferentes aspectos do processo de ensino e aprendizagem e envolver as atividades de observação de aulas, entrevistas com os agentes da escola, desenvolvimento de projetos de pesquisa, regência e/ou análise de documentos da escola dos professores ou dos alunos.
 
 
 
Programa
1. A Didática, o ensino e seu caráter na escola contemporânea.
1.1. Teorizações sobre o ensino na perspectiva histórica.
2. Organização do trabalho docente na escola.
2.1. Projeto pedagógico, currículo e planejamento de ensino.
2.2. A natureza do trabalho docente e suas relações com o sistema de ensino e a sociedade.
3. Situações de ensino na sala de aula.
3.1. A relação pedagógica e a dinâmica professor-aluno-conhecimento.
3.2. Organização das atividades do professor e do aluno.
3.3. Recursos e tecnologias para o ensino.
4. Questões críticas da didática: disciplina/indisciplina, ciclos escolares e avaliações.
 
 
 
Avaliação
     
Método
De acordo com as orientações do professor responsável pela disciplina, a avaliação do estágio poderá corresponder a relatório escrito ou apresentação de relatos das experiências de estágio (de produção individual ou em grupo).
O estágio obrigatório da disciplina deverá atingir 20 horas, devidamente registradas na Ficha de Estágio, e será cumprido preferencialmente em escola pública, na Educação Infantil, Ensino Fundamental (I ou II), Ensino Médio ou Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Os estágios poderão focalizar diferentes aspectos do processo de ensino e aprendizagem e, de acordo com as orientações do professor responsável pela disciplina, poderão envolver as atividades de observação de aulas, entrevistas com os agentes da escola, desenvolvimento de projetos de pesquisa, regência e/ou análise de documentos da escola dos professores ou dos alunos.
Critério
De acordo com as orientações do professor responsável pela disciplina, o estágio poderá ser avaliado de acordo com os seguintes critérios:
• Organização do grupo nas aulas destinadas ao trabalho do estágio.
• Pontualidade no cumprimento das fases do trabalho e na entrega do produto final.
• Qualidade das relações estabelecidas nos trabalhos finais com as discussões empreendidas ao longo do semestre.
Norma de Recuperação
De acordo com orientações do docente da disciplina
 
Bibliografia
     
ALMEIDA, Guido de. O professor que não ensina. São Paulo: Summus, 1996.
ANDRÉ, Marli; OLIVEIRA, Maria R. N. S. (Orgs.). Alternativas no Ensino de Didática. 10. ed. Campinas: Papirus, 2009.
ARANTES, V.; MARTINEZ, M.; PENIN, S. (Orgs.). Profissão docente. São Paulo: Summus, 2009.
AZANHA, José Mario P. Uma reflexão sobre a Didática. 3º SEMINÁRIO A DIDÁTICA EM QUESTÃO. Atas..., v. I, 1985. p. 24-32.
BISSERET, Noëlle. A ideologia das aptidões naturais. In: DURAND, J. C. (Org.). Educação e hegemonia de classe. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. p. 31-67.
BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: CATANI, Afrânio; NOGUEIRA, Maria Alice. (Orgs.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 39-64.
BOURDIEU, Pierre; SAINT-MARTIN, Monique. As categorias do juízo professoral. In: CATANI, Afrânio; NOGUEIRA, Maria Alice. (Orgs.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 185-216.
BUENO, Belmira O.; CATANI, Denice B.; SOUSA, Cynthia P. de. A vida e o ofício dos professores. São Paulo: Escrituras, 1998.
CANDAU, Vera M. (Org.). A didática em questão. Rio de Janeiro: Vozes, 1988.
CASTRO, Amélia D. de; CARVALHO, Anna Maria P. de (Orgs.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira; Thomson Learning, 2001.
CATANI, Denice B.; BUENO, Belmira O.; SOUSA, Cynthia P. de; SOUZA, M. Cecília Cortez C. Docência, memória e gênero. São Paulo: Escrituras, 1997.
CHARLOT, Bernard. A criança no singular. Presença Pedagógica. v. 2, n. 10, p. 5-15, jul./ago. 1996.
______. Da relação com o saber. Porto Alegre: Artmed, 2000.
CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre o campo de pesquisa. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.
COMÊNIO, João A. Didática magna. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1966.
DEMARTINI, Zeila de Brito F. Histórias de vida na abordagem de problemas educacionais. In: VON SIMON, Olga R. (Org.). Experimentos com histórias de vida. Itália – Brasil. São Paulo: Vértice; Revista dos Tribunais, 1998. p. 44-71.
DUBET, François. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor. Revista Brasileira de Educação, n. 5-6, p. 222-231, maio/dez. 1997.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 9.ed. Petrópolis: Vozes, 1987.
GUIMARÃES, Carlos E. A disciplina no processo ensino-aprendizagem. Didática, São Paulo, n. 18, p. 33-39, 1982.
GUSDORF, Georges. Professores, para quê? Para uma pedagogia da pedagogia. Lisboa: Livraria Morais, 1967.
HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: McGraw Hill, 1998.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação: mito & desafio. 10. ed. Porto Alegre: Mediação, 1993.
HUBERMAN, Michaël. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 31-61.
LEITE, Dante M. Educação e relações interpessoais. In: PATTO, M. H. S. (Org.). Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1985. p. 234-257.
LIBÂNEO, José C. Didática. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2009.
MACHADO, N. J. Epistemologia e didática: as concepções de conhecimento e inteligência e a prática docente. São Paulo: Cortez, 1995.
MEIRIEU, Philippe. Aprender... sim, mas como? Porto Alegre: Artmed, 1998.
MORAIS, Regis (Org.). Sala de aula. Que espaço é esse? Campinas: Papirus, 1994.
NAGLE, Jorge. O discurso pedagógico. In: ______. (Org.). Educação e linguagem. São Paulo: EDART, 1979.
NOBLIT, George W. Poder e desvelo na sala de aula. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, jul./dez. 1995, v. 21, n. 2, p. 119-137.
NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: EDUCA, 2002.
PATTO, M. Helena Souza. Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991.
______. A produção do fracasso escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991.
PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.
______. Práticas pedagógicas e profissão docente. Lisboa: Dom Quixote, 1993.
PIMENTA, Selma G. (Org.). Didática e formação de professores. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
PIMENTA, Selma G.; LIMA, M. Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.
POPKEWITZ, Thomas S. Profissionalização e formação de professores: algumas notas sobre sua história, ideologia e potencial. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 35-50.
SACRISTÁN, J. Gimeno. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (org). Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995. p. 63-92.
SANTIAGO, Anna Rosa F. Projeto político-pedagógico: escola básica e a crise de paradigmas. In: BRASIL, MEC. Anais de Conferência Nacional de Educação para Todos. Brasília: 1994. p. 597-604.
SCHEFFLER, Israel. A linguagem da educação. Tad. Balthazar Barbosa Filho. São Paulo: EDUSP; Saraiva, 1974.
TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências com relação à formação do magistério. Revista Brasileira de Educação, jan./mar., n. 13, p. 5-24, 2000
THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
TIRAMONTI, Guillermina. La escuela en la encrucijada del cambio epocal. Educação & Sociedade, v. 26, n. 92, 2005. p. 889-910.
VEIGA-NETO, Alfredo. A didática e as experiências de sala de aula: uma visão pós-estruturalista. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 2, 1996.
WOODS, Peter. Investigar a arte de ensinar. Trad. M. Isabel Real Fernandes de Sá e M. José Álvarez Martins. Porto: Porto Editora, 1999.
 

Clique para consultar os requisitos para EDM0402

Clique para consultar o oferecimento para EDM0402

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP