Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Antropologia
 
Disciplina: FLA0363 - Raça, Sexualidade e Identidade Nacional
Race, sexuality, and national identity

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2016 Desativação:

Objetivos
O ponto de partida de curso é o caráter ambíguo que a “sexualidade primitiva” passou a assumir para a intelectualidade européia e norte-americana nas primeiras décadas do século XX, facilitando o desenvolvimento de “estratégias anti-coloniais” por parte de nações “periféricas”, como o Brasil. Note-se que a “sexualidade primitiva” já traz embutida a hierarquia racial e de gênero. Mais especificamente, focalizaremos a “engenharia simbólica” através da qual tais nações se apropriaram de idéias e autores (descartando uns e relendo outros) para afirmar a “viabilidade” de suas nações (exemplar nesse sentido é o uso que fez Gilberto Freyre das obras de Havelock Ellis, Ernest Crawley e Edward Westermarck, cujos escritos se opunham à idéia de “promiscuidade primitiva”, tão em voga entre seus antecessores).
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5597260 - Laura Moutinho da Silva
 
Programa Resumido
O presente curso tem por objetivo analisar a inter-relação das idéias de raça, gêmero, sexualidade e identidade nacional, conforme pensadas pelas elites intelectuais “metropolitanas” desde finais do século XIX (nesse sentido, serão revisitados alguns clássicos da antropologia e da sexologia européias) e seus reflexos em contextos “periféricos”. Abordaremos tanto as políticas que certas “metrópoles” implantaram para a regulação do comportamento sexual em suas “colônias” (incentivando ou proibindo a miscigenação, por exemplo), quanto a apropriação que delas fizeram as elites locais. As noções de “centro” e “periferia” ou “colônia” e “metrópole” serão compreendidas como pólos ideais de um campo instável e hierarquizado, no qual está em questão o acesso diferenciado a fontes de poder e prestígio. Nessa perspectiva, fronteiras sociais e simbólicas serão consideradas muito mais móveis e dinâmicas do que supõe o modelo estático de uma metrópole irradiando suas idéias e formas de poder para suas colônias.
 
 
 
Programa
Vide acima
 
 
 
Avaliação
     
Método
ulas expositivas; seminários; filmes e materiais audiovisuais; leituras dirigidas.
Critério
Presença e participação em sala de aula; provas e trabalhos escritos; seminários individuais e coletivos.
Norma de Recuperação
Prova individual em data a definir sobre o conteúdo total do programa. A nota final dos alunos em recuperação resultará da média da primeira e segunda avaliação [nota final do curso + recuperação)/2].
 
Bibliografia
     
Aguião, Silvia. “Aqui nem todo mundo igual!”: Cor, Mestiçagem e Homossexualidades numa Favela do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: PPGSC/ IMS/ UERJ, 2007. Appiah, Kwame Anthony. Na casa de meu pai. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. Bairros, Luíza. Novos Feminismos Revisitados. Revista de Estudos Feministas, (UFSC. Impresso), Florianópolis, 1995, vol. 3, nº2, pp.458-463. Bederman, Gail. Manliness and Civilization: A Cultural History of Gender and Race in the United States 1880-1917 (Introdução e capítulos 3,4,5) Bicudo, Virgínia Leone. Atitudes Raciais de Pretos e Mulatos em São Paulo. (Org. Macos Chor Maio). São Paulo: Editora Sociologia e Política, 2012. Brah, Avtar. “Diferença, diversidade, diferenciação”. In: cadernos pagu (26), janeiro-junho de 2006: pp.329-376. Canessa, Andrew. “El sexo y el ciudadano: Barbies y reinas de belleza en la era de Evo Morales”. In: Wade, P, Giraldo, F., Viveros, M. Raza, etnicidad y sexualidades – ciudadanía y multiculturalismo en América Latina. Bogotá, CES, 2008. Carrara, Sergio. Estratégias Anti-Coloniais: sífilis, raça e identidade nacional no Brasil de entre-guerras. In: (Gilberto Hochman e Diegos Armus Orgs.) Cuidar, Controlar, Curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004. Comaroff, John & Comaroff, Jean. Ethnicity, Inc. Chicago UP, 2009 Crapanzano, Vincent. Imaginative horizons: an essay in literary-philosophical anthropology. Chicago e Londres: The University of Chicago Press, 2004. Crapanzano, Vincent. Waiting: the whites of South Africa. New York: Random House, 1985; Fanon, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Rio de janeiro: Fator, 1983. Fassin, Didier. “Compassion and repression: The moral economy of immigration policies in France”. Cultural Anthropology, v. 20, n. 3, august, 2005. pp. 362-387. Foucault, Michel. “Aula de 17 de março de 1976”. In: Em Defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002. pp. 285-315. Foucault, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1977. Gilroy, Paul. Entre Campos: nações, culturas e o fascínio da raça. São Paulo: Editora Annablume, 2007. Guimarães, Antonio Sergio. Preconceito Racial: modos, temas e tempos. 1. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2008. Hamel, Christelle. “Da racialização do sexismo ao sexismo identitário entre imigrantes na França contemporânea”. Revista Physis v.16 n.1 Rio de Janeiro jan./jul. 2006. Haraway, Donna, Primate Visions: Gender, Race and Nature in the World of Modern Science. New York: Routledge, 1989 (capítulo 3) hooks, bell. Intelectuais Negras. Revista de Estudos Feministas, vol. 3, nº2, Florianópolis, UFSC, 1995, pp.464-478. hooks, Bell. Vivendo de Amor. http://arquivo.geledes.org.br/areas-de-atuacao/questoes-de-genero/180-artigos-de-genero/4799-vivendo-de-amor Kuper, Adam. Nomes e partes: as categorias antropológicas na África do Sul. In: Benoit L’Estoile; Federico Neiburg; Lygia Sigaud (Orgs) Antropologia, Impérios e Estados Nacionais. Relume Dumará, Rio de Janeiro, 2002. Lopes, Pedro. Negociando deficiências: sobre identidades, subjetividades e corporalidades entre pessoas com “deficiência intelectual”. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia – USP, 2014. Lopes, Pedro & Moutinho, Laura. “Uma Nação de Onze Línguas? Diversidade social e Linguística nas novas configurações de poder na África do Sul”. Revista TOMO, Vol. 20\UFS, 2012. Mbembe, Achille. “As Formas Africanas de Auto-Inscrição”. In: Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, nº 1, 2001, pp. 171-209. McCallum, Cecilia. Gender and Sociality in Amazonia: How Real People Are Made. Oxford: Berg, 2001. McClintock, Anne. Imperial Leather: race, gender and sexuality in the colonial contest. New York/London: Routledge. Mintz, Sidney. “Enduring Substances, Trying Theories: The Caribbean Region as Oikoumenê.” Journal of the Royal Anthropological Institute N.S. 1996. 2: 289–293. Moutinho, Laura. Diferenças e desigualdades negociadas: raça, sexualidade e gênero em produções acadêmicas recentes.Cad. Pagu[online]. 2014, n.42 Moutinho, Laura. Razão, Cor e Desejo: uma Analise Comparativa dos Relacionamentos Afetivos-Sexuais no Brasil e na África do Sul. São Paulo, Editora UNESP, 2004. Moutinho, Laura. Sob a ótica do feminino: raça e nação, ressentimentos e (re)negociações na África do Sul pós-apartheid (no prelo) Moutinho, Laura. Sobre Danos, Dores e Reparações: The Moral Regeneration Movement – Controvérsias Morais e tensões Religiosas na Ordem Moral Sul-Africana. In: Wilson Trajano Filho (Org.). Travessias Antropológicas: Estudos em Contextos Africanos. Brasília: ABA, 2012, pp:275/296. Pelucio, Larissa. “Travestis Brasileiras - Singularidades nacionais, desejos transnacionais”. Paper apresentado na 26ª Reunião Brasileira de Antropologia Porto Seguro, 2008. Perlongher, Néstor. O negócio do michê. [1987] São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2008. Piscitelli, Adriana. “Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras”. Sociedade e Cultura, Universidade Federal de Goiânia (no prelo). Ribeiro, Fernando Rosa. ‘Apartheid’ and ‘Democracia Racial’: South Africa and Brazil in Contrast, tese doutorado, Universidade de Utrecht, 1996 (capítulo “Coloured as Other”) Said, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. (capítulos 1 e 3) Said, Edward. Orientalismo: o oriente como invenção do Ocidente. São Paulo. Companhia das Letras, 2007. Schwarcz, Lilia. Moderna República velha: um outro ano de 1922. Rev. Inst. Estud. Bras.,n.55,p.59-88, 2012. Seyferth, Giralda. "A assimilação dos imigrantes como questão nacional". In: Revista Mana, v. 3, nº 1, 1997. Souza, Valéria Alves. Os Tambores das " Yabás": raça, gênero, sexualidade e cultura no Bloco Afro Ilú Obá De Min. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – USP, 2014. Spitzer, Leo.Vidas de Entremeio: assimilação e marginalização na Áustria, no Brasil e na África Ocidental (1780-1945). EdUERJ: Rio de Janeiro, 2001. Stepam, Nancy. A Hora da Eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005. Stoler, Ann Laura. Carnal Knowledge and Imperial Power: Gender, Race, and Morality in Colonial Asia. In: Lancaster & Leonardo, The Gender Sexuality Reader. New York: Routledge, 1997. Trajano Filho, Wilson. “A África e o Movimento: reflexões sobre os usos e abusos dos fluxos”. In: Dias, Juliana. B.; Lobo, Andréa. (Org.). África em Movimento. Brasilia: , 2012, v. 1, p. 23-45. Williams, Kim. Mark One or More: Civil Rights in Multiracial America. The University of Michigan Press, 2006. Young, Robert, Colonial Desire: Hybridity in Theory, Culture and Race, London e New York: Routledge, 1995. Zamboni, Marcio. Herança, distinção e desejo: homossexualidade em camadas altas na cidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia – USP, 2014.
 

Clique para consultar os requisitos para FLA0363

Clique para consultar o oferecimento para FLA0363

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP