Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Antropologia
 
Disciplina: FLA0374 - Tópicos de Antropologia e História
Topics in Anthropology and History

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011 Desativação:

Objetivos
O objetivo desse curso é desenvolver o debate entre áreas de fronteira como a Antropologia e a História. “Boas Vizinhas”, na feliz expressão de Robert Darnton, as duas disciplinas vêm mantendo polêmicas relevantes, não tanto em função da coincidência de objetos, mas antes por conta da profundidade dos conceitos e tema envolvidos: circularidade e dinâmica cultural, estrutura e acontecimento, diacronia e sincronia; mentalidades e longa duração; permanência e conflito. A idéia é recuperar textos que analisaram teoricamente a questão, assim como obras que “na prática” realizaram e efetivaram esse debate entre as disciplinas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2085152 - Lilia Katri Moritz Schwarcz
 
Programa Resumido
 
 
 
Programa
Debater as principais obras que tem se dedicado a pensar temas como arquivos,
circularidade cultural, tempo e temporalidades, história e historicidades, relações e fronteira e história da antropologia tendo em mente o papel que a história como disciplina desempenhou para a constituição da ciência.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas (com apoio na análise de textos, projeção de slides e de transparências) e seminários apresentados pelos alunos.
Critério
Apresentação de seminário de grupo com escolha de tema pré-determinado (valor de 20% na média)
Debate de seminário com tema pré-determinado (valor de 10% na média)
Relatório referente ao seminário apresentado (em grupo) (valor de 10% na média)
Prova individual ou trabalho sobre tema pertinente ao curso (valor de 40%)
Resenha de livro ou romance de alguma maneira vinculada ao curso (10%)
Norma de Recuperação
A recuperação nesta disciplina será feita a partir de uma prova escrita, trabalho escrito previamente combinado e entrevista oral.
 
Bibliografia
     
Albert, Bruce. “O ouro canibal e a queda do céu”. In Albert, Bruce, & Ramos, Alcida (orgs.). Pacificando o branco. Cosmologias do contato no Norte Amazônico. São Paulo: Unesp, 2002.

_____ & Ramos, Alcida (orgs.). Pacificando o branco. Cosmologias do contato no Norte Amazônico. São Paulo: Unesp, 2002.

Almeida, Mauro. “Simetria e entropia: sobre a noção de estrutura em Lévi-Strauss”. Revista de Antropologia, nos 1-2. São Paulo: USP/FFLCH, Depto. de Antropologia, 1998, vol. 42.

Amoroso, Marta. “Conquista do paladar: os Kaingang e os Guarani para além das cidadelas cristãs”. Anuário Antropológico. Brasília: UnB, 2004.

Benjamin, Walter. “Sobre o conceito de história”. In Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Bhabha, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

Bloch, Marc. Os reis taumaturgos (1924). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Boas, Franz. “History and science in anthropology: a reply”. In American Anthropologist, s. no, 1936, vol. 38.

_____ Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

_____ “Os objetivos da pesquisa antropológica” (1932). In Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.


Braudel, Fernand. O Mediterrâneo e o mundo mediterrânico na época de Filipe II (1949). Lisboa: Publicações D. Quixote, 1995.

_____ “História e ciências sociais. A longa duração”. In Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1978.

Cardoso, Sergio. “A crítica da antropologia política na obra de Pierre Clastres”. Tese de doutorado. São Paulo: Depto. de Filosofia da USP, 1989.

Chatelet, François. História da filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 1972/3.

Clastres, Pierre. A sociedade contra o Estado (1974). São Paulo: Cosac Naify, 2003.

Clendinnen, I. Ambivalent conquests: Maya and Spaniard in Yucatan, 1517-1570. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

Clifford, James, & Marcus, George E. (eds.). Writing culture. Berkeley: University of California Press, 1986.

Comaroff, Jean. Body and power. Spirit of resistence: the culture and history of a South African people. Chicago: Chicago University Press, 1985.

Comaroff, John. Ethnography and the historical imagination. Boulder: Westview Press, 1992. (Com Jean Comaroff.)

_____ “The madman and the migrant: work and labor in the historical consciousness of a South African people”. American Ethnologist, no 14, 1987, pp. 191-209.

Corrêa, Mariza. As ilusões da liberdade. Bragança Paulista: Edusf, 1998.

Cunha, Manuela Carneiro da. Negros estrangeiros. São Paulo: Brasiliense, 1979.

_____ “Introdução a uma história indígena”. In Cunha, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

_____ (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

_____ & Viveiros de Castro, Eduardo. “Vingança e temporalidade: os Tupinambás”. Anuário Antropológico, 1986, vol. 85, pp. 57-78.

Darnton, Robert. O grande massacre de gatos. Rio de Janeiro: Graal, 1986.


Delacampagne, Christian, & Traimond, Bernard. “A polêmica Sartre/Lévi-Strauss revisitada. Nas raízes das ciências sociais de hoje”. Les temps modernes, no 596, nov.-dez., s. d.

Dening, Greg. Islands and beaches. Discourses on a silent land. 1774-1880. Melbourne: Melbourne University Press, 1980.

Duby, Georges. Le temps des cathèdrales. Paris: Gallimard, 1976.

_____ Les trois ordres ou l’imaginaire feodale. Paris: Gallimard, 1978.

Dumézil, Georges. Heurs et malheurs du guerrier. Paris: Flammarion, 1985.

Dumont, Louis. “For a sociology of India”. Contributions to Indian Sociology, no 1, 1957.

_____ O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 1985.

Durkheim, Émile. “Representações individuais e representações coletivas” (1898). In Sociologia e filosofia. Rio de Janeiro: Forense, 1988.

Evans-Pritchard, E. E. Os Nuer (1940). São Paulo: Perspectiva, 1978.

_____ “Anthropology and history”. In Essays in social anthropology. Londres: Faber and Faber, 1962.

_____ Antropologia social. Lisboa: Edições 70, 1978.

Farage, Nadia. As muralhas do sertão: os povos indígenas no rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

Fox, Richard, & Gingrich, Andre. Anthropology, by comparison. Londres/Nova York: Routledge, 2002.

Franchetto, Bruna, & Heckenberger, Michael (orgs.). Os povos do Alto Xingu. História e cultura. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2001.

Fry, Peter. “Febrônio Índio do Brasil”. In Caminhos cruzados. São Paulo: Brasiliense, 1982.

_____ & Vogt, Carlos. Cafundó, a África no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

Gaboriau, Marc. “Antropologia estrutural e história”. In Lima, Luiz Costa (org.). O estruturalismo de Lévi-Strauss. Petrópolis: Vozes, 1968.

Gallois, Dominique. Mairi revisitada: a reintegração da fortaleza de Macapá na tradição oral dos Waiãpi. São Paulo: Núcleo de História Indígena e do Indigenismo (NHII-USP)/Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), 1994.

_____ Sociedades indígenas e suas fronteiras na região sudeste das Guianas. Mimeo, 2004.

Geertz, Clifford. Islam observed. Religious development in Morocco and Indonesia. Chicago: Chicago University Press, 1971.

_____ Negara. O Estado teatro no século XIX (1980). Lisboa: Difel, s. d.

_____ “Como pensamos hoje: a caminho de uma etnografia do pensamento moderno”. In O saber local. Petrópolis: Vozes, 2003.

Gell, Alfred. The anthropology of time. Cultural construction of temporal maps and images. Oxford/Providence: Berg Oxford/Providence, 1992.

Ginzburg, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

_____ História noturna. Decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

_____ O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Goldman, Marcio. Razão e diferença. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1994.

_____ “Lévi-Strauss e os sentidos da história”. Revista de Antropologia, nos 1-2. São Paulo: USP/FFLCH, Depto. de Antropologia, 1998, vol. 42.

_____ “Lévi-Strauss e os sentidos da história”. In Alguma antropologia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

Grimshaw, Anna. The ethnographer’s eye. Ways of seeing in modern anthropology. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

_____ & Hart, Keith. Anthropology and the crisis of the intellectuals. Cambridge: Prickly Pear Press, 1993.

Gruzinski, Serge. La colonisation de l’imaginaire. Paris: Gallimard, 1988.

______ La pensée métisse. Paris: Fayard, 1999.

Hocart, A. M. Kinship (1927). Oxford: Oxford University Press, 1969.

Isaac, Rhys. Transformations of Virginia. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1982.

Latour, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 1994.

Le Goff, Jacques. La naissance du purgatoire. Paris: Gallimard, 1981.

_____ L’imaginaire médieval. Paris: Gallimard, 1985.

Le Roy Ladurie, Emmanuel. Montaillou. Povoado occitânico de 1294-1324. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Leach, E. R. “Dois ensaios a respeito da representação simbólica do tempo”. In Repensando a antropologia. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_____ Repensando a antropologia. São Paulo: Perspectiva, 1974.

Lefebvre, Henri. Debates sobre o estruturalismo: uma questão de ideologia. São Paulo: Ed. Documentos, 1968.

Lefort, Claude. As formas da história. São Paulo: Brasiliense, 1979.

Lévi-Strauss, Claude. Raça e história (1952). São Paulo: Martins Fontes, 1975.

_____ “Lugar da antropologia nas ciências sociais e problemas colocados por seu ensino” (1954). In Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

_____ “História e etnologia”. In: Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

_____ “A estrutura dos mitos”. In Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

_____ “História e dialética”. In O pensamento selvagem. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

_____ Mito e significado. Lisboa: Edições 70, 1979.

_____ “Um outro olhar”. L’Homme. Paris, 1983.

_____ Totemismo hoje. Lisboa: Edições 70, 1986.

_____ História de lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

_____ “História e etnologia”. Textos Didáticos, no 24. Campinas: IFCH/Unicamp, 1996.
(“Histoire et ethnologie”. Annales E.S.C., no 6, 1983, vol. 38).

_____ “Voltas ao passado”. Mana. Estudos de Antropologia Social, no 2. Rio de Janeiro: PPGAS/Relume Dumará, 1998, vol. 4.

_____ “A harmonia das esferas”. In Do mel às cinzas. Mimeo, 2003, pp. 401-8.

_____ O cru e o cozido. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

_____ & Eribon, Didier. De perto e de longe. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

Lima, Antonio Carlos. “Aos fetichistas ordem e progresso”. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1989.

_____ “A identificação como categoria histórica”. In Oliveira, J. P. (org.). Os poderes e as terras dos índios. Comunicações 14. Rio de Janeiro: PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, 1989.

Mann, Thomas. A montanha mágica. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

Merleau-Ponty, M. “De Mauss a Claude Lévi-Strauss”. In Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984.


Monteiro, John. “Tupis, Tapuias e historiadores. Estudos de história indígena e do indigenismo”. Tese de livre-docência. Campinas: Unicamp, 2001.

Montero, Paula (coord.). Entre o mito e a história. O V Centenário do Descobrimento da América. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

Mott, Luiz. Rosa Egipcíaca. Uma santa africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

Moura, Margarida Maria. Nascimento da antropologia cultural. A obra de Franz Boas. São Paulo: Hucitec, 2004.

Obeyesekere, Gananath. The apotheosis of Captain Cook. Princeton: Princeton University Press/Bishop Museum Press, 1992.

Oliveira, Roberto Cardoso de (org.). A antropologia de Rivers. Campinas: Editora da Unicamp, 1991.

Overing, Joanna. “O mito como história: um problema de tempo, realidade e outras questões”. Mana. Estudos de Antropologia Social, no 1. Rio de Janeiro: PPGAS/Relume Dumará, 1995, vol. 1.

Pacheco de Oliveira, João. Ensaios em antropologia histórica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1999.

Pallares-Burke, Maria Lúcia Garcia. As muitas faces da história. São Paulo: Unesp, 2000.

Perrone-Moisés, Beatriz. "Aldeados, aliados, inimigos e escravos: lugares dos índios na legislação portuguesa para o Brasil". Actas do Congresso Internacional Portugal-Brasil: Memórias e Imaginários, v.1., Lisboa: GTMECDP, 2000. pp.147–164.

Pompa, Cristina. Religião como tradução. São Paulo: Edusc/ANPOCS, 2003.

Pontes, Heloisa. “Durkheim: uma análise dos fundamentos simbólicos da vida social e dos fundamentos sociais do simbolismo”. Cadernos de Campo, ano 3, no 3. São Paulo: USP/FFLCH, Depto. de Antropologia, 1993, pp. 89-102.

Puntoni, Pedro. A guerra dos bárbaros. Povos indígenas e colonização do sertão. Nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec/Edusp, 2002.

Radcliffe-Brown, A. R. Estrutura e função nas sociedades primitivas. Lisboa: Edições 70, 1989.

Reis, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.


Sahlins, Marshall. Historical metaphors and mythical realities. Michigan: Michigan Press, 1986.

_____ Ilhas de história (1987). Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

_____ “Cosmologias do capitalismo”. Religião e Sociedade, no 16, 1992.

_____ “O pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um ‘objeto’ em extinção”. Mana. Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro: PPGAS/Relume Dumará, 1997, vol. 3.

_____ Como pensam os nativos. São Paulo: Edusp, 2001.

_____ Esperando Foucault, ainda. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

_____ “Entrevista”. Antropologias: histórias e experiências. Org. Peixoto, Fernanda; Pontes, Heloisa, & Schwarcz, Lilia Moritz. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2004.

Schorske, Carl. Viena fin-de-siècle. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

Schwarcz, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

_____ As barbas do Imperador. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______ “Questões de fronteira: sobre uma antropologia da história”. In Revista Novos estudos. São Paulo, Cebrap, número 72, julho de 2005. Pp. 119-136. ISSN 0101-3300

Sider, Gerald. “Identity as history: ethnohistory, ethnogenesis and ethnocide in the Southeastern United States”. Identities, no 1, 1994, pp. 109-22.

Stern, Steven. “Paradigms of conquest: history, historiography and politics”. Journal of Latin American Studies, vol. 24, 1992, pp. 1-34.

Stocking Jr., George W. Race, culture, and evolution: essays in the history of anthropology. Nova York: Free Press, 1968.

_____ (org.). Franz Boas. A formação da antropologia americana. 1883-1911. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora da UFRJ, 2004.

Thomas, Keith. “Introduction”. In Bremmer, Jan, & Roodenburg, Herman (eds.). A cultural history of gesture. Cambridge: Polity Press, 1991.

Thomaz, Omar Ribeiro. Ecos do Atlântico Sul. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora da UFRJ/FAPESP, 2002.

Vainfas, Ronaldo. A heresia dos índios. Catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Varnhagen, Francisco Adolfo de. História geral do Brasil (1854). São Paulo: Melhoramentos, 1978.

Veyne, Paul. Como se escreve a história. Brasília: Editora da UnB, 1982.

Viveiros de Castro, Eduardo. “Etnologia brasileira”. In Miceli, Sergio (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). 1. Antropologia. São Paulo: Editora Sumaré, 1999.

_____ “Entrevista com o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro”. Sexta Feira: Antropologia, Artes e Humanidades, Corpo, no 4. São Paulo: Pletora, 1999.

Whitrow, G. T. O tempo na história. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

Wright, Robin (org.). Transformando os deuses. Os múltiplos sentidos da conversão entre os índios do Brasil. Campinas: Unicamp, 1999.

 

Clique para consultar os requisitos para FLA0374

Clique para consultar o oferecimento para FLA0374

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP